Segundo especialistas esse tipo de crime arrecada milhões todos os anos

Recentemente os usuários da Apple foram os escolhidos para serem as novas vítimas de hackers. A titulo de curiosidade essa foi a primeira vez em que os cibercriminosos decidiram enviar algum tipo de software popularmente conhecido como ransomware para as máquinas Mac. Essas observações foram feitas por alguns especialistas e pesquisadores da Palo Alto Networks.

Para entendermos um pouco essa questão temos que considerar alguns aspectos importantes. Um deles é o fato de que os chamados ransomwares tiveram um crescimento significativo nos últimos anos. O golpe por meio do software se dá basicamente usando a criptografia de arquivos em computadores que estejam infectados. Logo após isso aparece um pedido de resgate que pode ser feito por meio de moedas digitais que, por sua vez são difíceis de serem detectadas.

Bom, como para tudo tem a primeira vez hoje o momento foi da Apple.

De acordo com alguns especialistas em segurança essa modalidade criminosa consegue arrecadar anualmente milhões de dólares. Um negócio mais do que lucrativo.

Eles ainda destacam quais são os principais alvos. Entre eles estão os usuários do sistema operacional Windows.

A coisa toda anda na velocidade da luz. Conforme o diretor de inteligência de ameaças virtuais de Palo Alto, o malware chamado KeRanger apareceu na última semana e foi exatamente ele o primeiro ransomware a invadir um PC Mac.

O malware tem suas peculiaridades que chamam muito a atenção. Uma delas é o fato de que além de ser muito bem criptografado ele ainda pede uma quantia de resgate para deixar o PC em paz.

Mesmo assim ainda não há nenhuma informação que aponte com toda certeza como a infecção acabou ocorrendo. No mais ainda há a preocupação de que alguns arquivos do sistema geral possam ter sido comprometidos.

A Apple por meio de um representante da empresa informou que as medidas sobre o problema já foram tomadas.

De qualquer forma há um certo período de tempo durante o qual é possível tomar as ações necessárias. Isso porque os arquivos tinham sido infectados três dias antes. As primeiras vítimas consequentemente vão ver o problema três dias depois.

Por Denisson Soares


Há pouco tempo, o site Netkas conseguiu descobrir que a próxima geração do Mac Pro poderá ter suporte para as placas Radeon HD 7000.

A descoberta foi feita por meio dos códigos do Mac OS X 10.8.3, indicando que as placas da AMD estão na listagem de itens de hardware suportados pela plataforma da Maçã. Entretanto, não faz muito tempo que a relação entre a Apple e a AMD ficou enfraquecida, pois aconteceram diversos problemas no fornecimento de hardware por parte da AMD, deixando a Maçã “na mão”, além dos contratempos com peças que superaqueciam. Assim, a empresa de Tim Cook resolveu cortar relações.

Só que com a revelação do suporte, provavelmente a Apple vai oferecê-lo oficialmente para as placas da AMD, dando a possibilidade de os usuários optarem por elas, caso tenham interesse. Mesmo assim, dificilmente a Apple confiará na AMD em questão do desenvolvimento em grande escala.

Conforme o site Softpedia, além da Radeon HD 7000, a lista de itens conta com a Radeon HD 7900 (utilizando a GPU Tahiti), que é, até então, a melhor placa de vídeo disponibilizada pela AMD, o que forneceria alto desempenho aos Macs Pro.

Por Guilherme Marcon


Muitos usuários dos computadores da Apple ficaram com dúvidas sobre a possível atualização do sistema operacional. Essas dúvidas surgiram devido ao anúncio da chegada da nova versão do Mac OS X, a Mountain Lion.

Agora, para poder responder às dúvidas dos consumidores, a fabricante revelou a lista dos aparelhos compatíveis com a nova versão da plataforma Mac OS X.

Vale ressaltar que a Apple não disse que os antigos modelos não receberão a atualização, mas é provável que o hardware destes aparelhos não seja suficiente para rodar a nova versão do sistema de maneira totalmente satisfatória.

A lista oficial publicada pela Apple indica que os modelos que receberão a atualização do sistema operacional por enquanto são os seguintes:

  • Xserve: modelos lançados a partir de 2009;
  • Mac Pro: modelos lançados a partir de 2008;
  • Mac Mini: modelos lançados a partir de 2008;
  • MacBook Air: modelos lançados a partir de 2008;
  • MacBook Pro: modelos lançados a partir do segundo semestre de 2007;
  • MacBook White: modelos lançados a partir de 2009;
  • MacBook de alumínio: modelos de 13 polegadas lançados a partir de 2008;
  • iMac: modelos lançados a partir de 2007.

Outros modelos de dispositivos podem ser anunciados como receptores da nova plataforma, porém nada foi anunciado até o momento.

Por Guilherme Marcon


O famoso programa que roda aplicativos do Android em computadores com Windows, chamado de BlueStacks App Player, foi disponibilizado no dia 27 de junho também para o Mac OS. Na versão para o sistema operacional da Microsoft, o software teve um milhão de downloads só no primeiro dia de lançamento e a expectativa é repetir o sucesso com os aparelhos da Apple.

O BlueStacks possui uma base com 400 mil apps Android no Windows e a desenvolvedora pretende levar de graça esse número também aos Macs. De acordo com Rosen Charma, CEO da dona do software, o BlueStacks é uma ótima oportunidade aos desenvolvedores, pois agora eles podem refletir sobre como fazer com que os usuários possam interagir com seus aplicativos nas diversas plataformas e aparelhos existentes no mercado, não se limitando a smartphones e tablets.

De certa forma, o App Player quebra o ecossistema da Apple, pois ao ser disponibilizado para os computadores da empresa é criada uma abertura no sistema operacional da Maçã que é sempre muito fechado.

Para mais fácil entendimento, o software funciona como uma espécie de emulador que age como uma loja virtual do Android, disponibilizando aplicativos que são compatíveis com o sistema no qual está instalado. Sendo assim, não são todos os apps da Google Play que funcionam, porque nem todos têm compatibilidade com outras plataformas.

Para fazer o download do programa, basta acessar o site do software e baixá-lo gratuitamente.

Por Guilherme Marcon


Depois da grande onda do vírus Flashback nos computadores Mac, muitas análises e pesquisas foram desenvolvidas em torno da questão de malwares para este dispositivo da Apple. Com isso, a Macworld resolveu descobrir o número de usuários Mac que possuem algum software antivírus instalado no seu aparelho.

O resultado não foi nada positivo, pois mais da metade dos donos de computadores Mac não utilizam antivírus na sua máquina, mesmo após a grande ameaça do Flashback.

A pesquisa apontou que, dos 1106 entrevistados, apenas 470 disseram que possuem algum antivírus instalado. Destes, somente 2,4% afirmaram que o programa detectou o trojan Flashback, enquanto que menos de 4% dos entrevistados foram atrás de alguma proteção para seu computador depois de saberem da existência do recente malware, que infectou mais de 600 mil computadores.

Entre os 636 entrevistados que afirmaram não possuir software antivírus instalado, 21,7% disse que sequer pretende ir atrás de algum programa e 13,9% afirma que é inteligente o suficiente para não instalar nenhum vírus na sua máquina.

Várias empresas, como a Kaspersky, já disponibilizaram ferramentas para a identificação e remoção do Flashback dos computadores, então basta procurar alguma e fazer o seu download gratuito, para limpar a sua máquina e mantê-la mais segura.

Por Guilherme Marcon


Na última quarta-feira, 12 de abril, a empresa Apple finalmente lançou sua própria ferramenta para remover o trojan Flashback.

O Flashback se baseia numa brecha, encontrada no Java, que permite a instalação discreta do vírus, pois nenhuma informação é solicitada ao administrador do computador.

A solução fornecida pela empresa é a atualização de segurança do Java, sendo que na página de suporte da Apple foi publicado que este upgrade é capaz também de remover as variantes mais comuns do trojan.

A descrição referente à atualização disponível no site da Apple afirma que agora o “Suport para Applets Java” estará desligado nos Macs e mesmo que o usuário venha a ativá-lo manualmente, ele irá desativar automaticamente se ficar muito tempo fora de uso. Para todos os usuários que possuírem Mac com o Java instalado, recomenda-se que façam a atualização do software.

A Apple foi bastante criticada por demorar tanto tempo para produzir uma solução para o problema. Mas antes de publicar a correção, a empresa pediu para que os usuários desativassem o aplicativo Java para que não corressem o risco de ter seu aparelho infectado pelo Flashback.

Por Guilherme Marcon





CONTINUE NAVEGANDO: