Para tentar conquistar usuários e chegar próximo ao sucesso do Facebook, o Google + lançou uma novidade nesta segunda-feira (31). Os usuários poderão ter a possibilidade de saber qual o número de visualizações que seu perfil teve, e até mesmo saber o número de acessos do conteúdo publicado nele. A nova ferramenta relembra as realizações feitas no Orkut, quando visualizações do perfil por semana ou no total vêm separadamente. A novidade está agregada tanto para páginas pessoais quanto de amigos ou públicas.  

O usuário que quiser saber desses detalhes precisa acessar o perfil de quem ele deseja obter os dados e, assim, o número de acesso de visualizações aparecerá para ele. Para saber do seu próprio perfil é só o usuário ir até o menu lateral do Google + e escolher a alternativa “Perfil” e lá estará os números detalhados. Se a curiosidade for para saber a contagem de visualizações de amigos ou até mesmo de personalidades, é só acessar a página daquele usuário que saberá quais os números atingidos por ele. A contagem vai aparecer embaixo da imagem do usuário e do nome dele ou instituição.

Essa possibilidade revelada pelo Google + vai atender principalmente personalidades públicas e empresas, para continuar ou melhorar estratégias de marketing para mais divulgação e visualizações. O interessante é que qualquer um pode ter acesso a esses números, dos outros e de si próprio. O usuário pode saber da sua popularidade na rede social e ainda pode comparar a sua com os dos amigos e conhecidos. O Google divulgou a novidade, mas afirmou que a contagem em certos momentos pode não estar atualizada em tempo real e que talvez os números não sejam tão precisos como o usuário queira. O recurso só está disponível para computadores, o programa ainda não tem disponibilidade para Android e nem iOS.

Ao usuário mais reservado que não quer que o número de visualizações apareça em seu perfil e nem utilizar o recurso para saber a contagem de outros, o Google + deu a opção de desativação do dispositivo. Basta ir novamente no “Perfil” e desmarcar a opção “Mostre quantas vezes o seu perfil e conteúdo foram visualizados”. 

Por Carolina Miranda

Google +

Foto: Divulgação


O Facebook possui atualmente mais de um bilhão de usuários ativos e, mesmo sendo a maior rede social do planeta, ainda tem muitas baixas em alguns grupos em todo o mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, alguns jovens estão diminuindo o uso da rede ou estão excluindo o perfil para usar as redes móveis.

A verdade, não são apenas os jovens que estão deixando a página social, mas pessoas de várias idades. O primeiro motivo, e talvez o principal, é por conta da privacidade. As críticas de que há uma grande complexidade para privar alguns espaços nas configurações nos dados pessoais ainda são frequentes. A única forma evidente de ficar com o perfil fechado a certas pessoas é por meio do bloqueio.

Outra situação que acaba fazendo com que as pessoas abandonem o Facebook é a dependência que ele pode causar. Um estudo da Universidade de Gotemburgo concluiu que o uso frequente da rede pode ocasionar um vício. Segundo a Escola, as mulheres passam em média 81 minutos diários online na Página, já os homens ficam 64 minutos.

Na hora de procurar um emprego, é possível que o selecionador vá buscar o seu perfil no Facebook para te conhecer melhor. O monitoramento já se transformou em uma rotina para os recrutadores em todo o mundo. Um levantamento feito por uma empresa constatou que 69% das empresas já descartaram candidatos por causa do conteúdo visto nos perfis.

Muitas pessoas se apegam às postagens dos amigos virtuais. Os contatos que publicam fotos na praia ou em qualquer outra diversão causam um grande desconforto para quem ficou em casa. E para quem quer postar tudo o que faz na vida, a tarefa ficou mais complicada ultimamente. Isso porque todos os parentes próximos já fazem parte da rede. Eles estão acompanhando tudo o que cada um faz, além de comentar todos os posts que um publica no Facebook.

As Universidades alemãs Humboldt e Darmstadt concluíram em uma pesquisa que há uma grande inveja na rede social. Os amigos que publicam corpos belos, em praias paradisíacas, com bons empregos e em férias causam um grande ressentimento para quem não tem alguma ou nenhuma dessas opções na vida. 600 pessoas foram entrevistadas e, pelas respostas, quem está na faixa dos 30 anos tem maior propensão a invejar a felicidade da família.

Outra coisa que incomoda muitos usuários é o excesso de propaganda. Se um usuário curte uma página, o Facebook fica mostrando insistentemente anúncios patrocinados de produtos parecidos. Agora, um lançamento feito em dezembro pela rede social mostra anúncios em vídeo que começam automaticamente com o play ativado.

O Facebook reúne muitos contatos interligados, mas poucos são amigos de verdade. Com o tempo, as pessoas acabam cansando de se manter informados sobre a vida de pessoas que pouco conhecem e que não possuem quase nenhuma relação.

Por fim, com assuntos que estão atuais na mídia, como pena de morte, reforma política e redução da maioridade penal, o desanimo é grande: são muitas pessoas radicais com posts agressivos sobre esses e outros assuntos com textos intolerantes. 

Por Carolina Miranda

Deletar Facebook

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: