Há poucos dias, a Amazon liberou seu mais novo comercial, que fala do seu tablet Kindle Fire HD com 8.9 polegadas de display.

Na publicidade, a gigante varejista tenta inferiorizar o tablet da Apple, que é o seu principal rival no mercado. Em um vídeo bastante simples, é feita uma comparação entre os dois gadgets nos quesitos qualidade de imagem da tela e preço.

O comercial mostra que há pouca diferença entre a Retina Display do iPad e a resolução HD do Kindle Fire, exibindo diversas imagens. No final, o narrador afirma que “quase não há diferença”, mas há uma bem importante: o preço. E então aparece o custo de cada um, sendo que o tablet da Maçã custa US$ 499 e o tablet da Amazon custa US$ 299, uma diferença de preço bastante grande.

O problema é que muitas pessoas criticaram o vídeo dizendo que o iPad jamais pode ser comparado com o Kindle, porque este é muito inferior. Alguns usuários chegaram a afirmar que a imagem do Kindle Fire no vídeo foi alterada para ficar mais parecida com a do iPad.

Porém, por mais que os concorrentes tentem atacar o iPad, ele é o líder com distância nas vendas de tablets no mercado dos Estados Unidos.

Por Guilherme Marcon


No dia 19 de dezembro, o Kindle foi disponibilizado no mercado brasileiro oficialmente pela Amazon.

O e-reader mais famoso pode ser comprado diretamente no site oficial da Amazon no Brasil (amazon.com.br) e em lojas físicas da Livraria da Vila, em São Paulo (SP).

De acordo com o vice-presidente do Kindle, Alexandre Szapiro, a Amazon está muito empolgada em disponibilizar o Kindle no território brasileiro como o e-reader mais acessível do mercado nacional.

A Amazon iniciou a operação no Brasil no dia 6 de dezembro com o lançamento do seu site totalmente na língua portuguesa, após bastante mistério e negociações sigilosas com empresas brasileiras.

O modelo vendido no Brasil é o mais simples, pesando apenas 170 gramas, com tamanho que permite que o dispositivo caiba em um bolso. A sua tela e-ink é de 6 polegadas e possui alto contraste, proporcionando imagens mais limpas e texto mais nítido, além de ser lido como papel de verdade. A capacidade do Kindle é de até 1400 e-books e a bateria dura até um mês. Já em questão de conexões, o aparelho é compatível somente com Wi-Fi.

O preço do leitor de livros digitais da Amazon é R$ 299, valor sugerido pela fabricante. É possível utilizar o armazenamento sem custo na nuvem, além das amostras grátis.

Por Guilherme Marcon


A Amazon chegou ao Brasil e vai investir com força total, isso ninguém duvida. E para alimentar ainda mais esse fato, vazaram imagens que exibem o Kindle com textos em português.

No site oficial da Amazon no Brasil (amazon.com.br) já constam informações sobre o e-reader Kindle, porém nada é dito a respeito de quando será lançado, apenas consta uma mensagem para as pessoas deixarem o nome na lista de espera que ele “logo” chegará.

As imagens que vazaram foram encontradas nos servidores da Amazon pelos sites Blog do JC e Gizmodo. No total, são quatro fotografias que ilustram a versão brasileira do e-reader, além de exibir o logotipo brasileiro da empresa. Nas imagens, podemos ver menus traduzidos para o português, além das abas de promoções, que contêm e-Books por menos de R$ 5.

Tudo indica, conforme o site Gizmodo, que as negociações com as empresas e os fornecedores já foram finalizadas e que o lançamento de um dos e-readers mais famoso do mundo não passará de dezembro. O aparelho já tem o seu preço divulgado pela Amazon: R$ 299.

Por Guilherme Marcon


A Amazon enfim chegou ao Brasil e já possui um escritório localizado na cidade de São Paulo, onde muito em breve começará a operar. O executivo da Amazon, Mauro Widman, declarou para a revista VEJA que vai cuidar apenas das questões do e-reader da gigante no Brasil.

Ainda, conforme a publicação do cadastro da Amazon feita pela Junta Comercial de São Paulo, a empresa atuará no território brasileiro no ramo varejista, tal qual faz no exterior. Já há boatos de que a Amazon estaria realizando negociações com a Saraiva. Alguns veículos da mídia chegaram a comentar que a gigante internacional pretende comprar a rede de livrarias brasileira.

Além disso, foi divulgada uma lista na qual consta que a Amazon venderá no Brasil produtos como instrumentos musicais, livros, CDs, DVDs, artigos eletrônicos e até artigos de vestuário, sendo roupas e acessórios. Caso a lista seja confirmada, a varejista venderá revistas e livros digitais, o que indica a vinda do Kindle ao nosso país.

Segundo rumores divulgados pela mídia brasileira, a Amazon iniciará suas operações ainda em novembro deste ano, iniciando pela venda de livros digitais. Além disso, informações da VEJA apontam que a empresa quer vender 5.000 e-books até janeiro de 2013 e 1 milhão de Kindles até o final do ano.

Por Guilherme Marcon


A Amazon e o Kindle finalmente estão preparados para entrar no mercado brasileiro. A empresa  já pode começar a trabalhar em seu novo escritório, localizado em São Paulo. O executivo Mauro Widmanm, que saiu da empresa e deu lugar para Alexandre Szapiro, o ex-funcionário da Apple, falou em uma entrevista que no Brasil ele irá cuidar somente dos negócios relacionados ao e-reader da companhia.

O cadastrado da Amazon, segundo as informações da Junta comercial de São Paulo, revela que a companhia irá atuar no ramo de varejo, da mesma forma que acontece no exterior.

Caso seja verdade, a lista de produtos comercializados pela Amazon deverá contar com livros, instrumentos musicais, eletrônicos e até mesmo roupas e acessórios. A empresa também deverá vender revistas e livros digitais, para incentivar as vendas do Kindle, o e-reader da companhia.

Os rumores revelam que a Amazon deverá iniciar suas atividades no Brasil ainda este ano, provavelmente em novembro, quando os livros iriam começar a ser vendidos. Informações publicadas pela revista VEJA ainda revelam que a companhia pretende vender aproximadamente 5 mil e-books por dia no inicio do ano que vem, e, em  somente um ano, vender 1 milhão de unidades do Kindle.

Por Felipe Santos Bonfim


Após diversos rumores serem divulgados na internet, finalmente a Amazon anunciou oficialmente o seu novo leitor digital com diversas melhorias. O aparelho ganhou o nome de Kindle Paperwhite e trata-se de uma evolução do Kindle Touch.

Dentre as novidades, a principal é a nova tecnologia que foi aplicada na tela, que se mantém como a e-ink no quesito economia, porém ganha uma camada de fibra ótica para distribuir a luz emitida pelos LEDs de forma mais eficaz. Assim, o usuário pode ler de forma mais tranquila e agradável, sem que haja prejuízo na autonomia da bateria do dispositivo, que dura até 8 semanas em uso contínuo.

Outras melhorias foram feitas em questão da qualidade de imagem, pois o novo Paperwhite tem 25% mais contraste e 62% mais pixels por polegada do que o Touch. Além disso, agora o usuário pode ler livros na resolução de 1028 x 768 pixels também.

O design do Kindle Paperwhite se assemelha muito ao novo Kindle Fire, pesando 213 gramas e medindo apenas 9.1 milímetros de espessura, o que facilita muito o seu manuseio e transporte.

As vendas do novo Kindle Paperwhite iniciarão, de acordo com a Amazon, no dia 1º de outubro. A versão mais básica custará US$ 119 e a versão com 3G sairá por US$ 179.

Por Guilherme Marcon


Realmente a Amazon resolveu apostar grande parte das suas fichas com o lançamento do seu novo tablet, o Kindle Fire HD. Para tal, a empresa acrescentou diversos novos softwares, sendo um deles o X-Ray.

O novo aplicativo, que já vem pré-instalado no Kindle Fire HD, vai ajudar os usuários a identificar que filme estão assistindo e também quais são os atores do elenco. O funcionamento do app é muito simples, pois basta tocar sobre o rosto de um dos atores que estão na cena assistida (desde que o filme tenha sido adquirido por alguma plataforma do próprio Kindle). Após tocar no ator ou na atriz, o usuário só precisa aguardar que o sistema será aberto e efetuará a busca por informações a respeito da pessoa em questão. Isso acontece porque o software é conectado ao IMDb, que é o maior banco de dados do mundo no setor de cinema (e é de propriedade da Amazon). Depois de encontrar as informações, elas serão exibidas na tela, porém, isso é feito muito rapidamente.

Além de o sistema ser utilizado em filmes, também será possível aplicá-lo nos livros baixados por meio da Amazon, pois selecionando o nome de um dos personagens ou então um termo específico, é possível efetuar uma busca dentro do livro e localizar onde esse nome ou frase foi falado.

Por Guilherme Marcon


Até há pouco tempo havia muitos rumores sobre o lançamento de uma nova versão do Kindle Fire, o tablet da Amazon. Assim, no início do mês de setembro a empresa anunciou o novo modelo com características bastante interessantes.

O novo modelo recebeu o nome de Kindle Fire HD e foi apresentado com uma tela com ótima resolução em dois tamanhos. A nova versão foi lançada com tela de 7 polegadas e também com 8,9 polegadas, sendo que os dois tamanhos têm 1920 x 1200 pixels de resolução, além da redução de 25% no reflexo do display. Os Kindles Fire HD já vêm de fábrica com o FreeTime, para controle do conteúdo e tempo de uso por parte dos pais. Eles vêm também com o conhecido Whispersync for Voice e com o Immersion Reading.

Em questão de especificações técnicas, os novos Kindle Fire possuem memória RAM de 1 GB, compatibilidade com Wi-Fi, processador OMAP 4470 com dois núcleos e frequência de 1.5 GHz, câmera na parte da frente e capacidade de armazenamento interno de 16 GB ou 32 GB. A versão de 8.9 polegadas ainda é compatível com o 4G de forma opcional.

Os preços dos aparelhos nos EUA iniciam em US$ 199 dólares para o modelo com 7 polegadas e US$ 299 para o modelo de 8.9 polegadas. Não há informações sobre quando o tablet chegará ao Brasil.

Por Guilherme Marcon


Algumas fontes ligadas à Amazon afirmam que o novo Kindle Fire chegará em breve ao mercado. O tablet, que provavelmente deve ser anunciado até o dia 31 de julho, irá trazer diversas melhorias quando comparado ao seu antecessor, além de, é claro, ter seu design totalmente renovado para deixar o dispositivo mais confortável para o usuário.

O novo Kindle Fire traz diversos atrativos e dentre eles está a resolução da tela, que é de 1.280 x 800 pixels, superior à versão anterior que tinha apenas 1.024 x 600 pixels, além de ser a mesma utilizada no Google Nexus 7. Além disso, a espessura e o peso do novo tablet da Amazon foram reduzidos, o que por sinal  já era esperado pelos usuários do antigo Kindle Fire, que é bem mais pesado se comparado aos modelos dos concorrentes.

Devido à queda nas vendas da primeira versão do aparelho, a Amazon deverá lançar um tablet que impressione bastante o público, para fazer com que os consumidores escolham o seu aparelho entre uma grande variedade de opções.

A previsão é que o novo Kindle Fire chegue ao mercado no terceiro trimestre deste ano, para que ele consiga espaço nas prateleiras durante o Natal.

Por Guilherme Marcon


Ao mesmo tempo em que diversos rumores sobre o lançamento de uma possível nova versão do iPad com tela menor estão ganhando forças na mídia, algumas de suas concorrentes estão trilhando o caminho oposto.

Algumas evidências mostram que a Amazon estaria desenvolvendo uma nova versão do seu famoso tablet, o Kindle Fire, com tela de 10 polegadas. Essa seria uma estratégia da empresa para conseguir aumentar ainda mais sua participação neste segmento.

O jornal The New York Times consultou algumas fontes e, de acordo com elas, em breve os planos da Amazon poderão ser concretizados, sendo que alguns ainda afirmam que um lançamento mundial estaria marcado para 31 de julho. Caso seja confirmado, o dispositivo conseguirá chegar às mãos dos consumidores com uma vantagem de tempo bastante considerável em relação aos tablets produzidos pelos adversários da companhia.

Além disso, a publicação do jornal ainda confirmou os relatos de que a Apple está produzindo um tablet com display de 7 polegadas. O mercado espera que o novo aparelho seja anunciado em breve e que o preço seja consideravelmente menor em relação ao valor do novo iPad.

Por Guilherme Marcon


O Kindle da Amazon.com está com tudo, isso porque a varejista Amazon.com divulgou seu balanço de vendas que registrou o leitor de digital de livros como o item mais vendido em toda a história da empresa. Em um único dia, o player registrou 13,7 milhões de pedidos, isso é o equivalente a 158 Kindles por segundo.

O motivo de tanta procura deve-se a praticidade de poder ler o livro que se quer sem gastar uma folha de papel. Com o aparelho, ainda é possível assinar revistas e jornais, tudo com os devidos pagamentos, é claro. Esse sucesso de vendas mede 19 x 13 x 1.7 cm e pesa quase 300 gramas.

Com uma bateria que dura 1 dia inteiro se ficar em utilização e quase 1 semana se desconectado, o aparelho promete continuar sendo esse sucesso de vendas em 2011.

Por Vivian Fiorio


Lentamente o e-reader Kindle, da Amazon, vem evoluindo para talvez um dia tornar-se algo mais que apenas um leitor de e-books. O que dá uma pista sobre isso é uma característica sobre o gadget descoberta pelo site SlashGear. Segundo eles o novo Kindle 3, mais leve, mais fino e com melhor contraste da tela, contará com um microfone embutido.

No entanto, o dispositivo estará desabilitado e somente terá utilidade no futuro, só não se sabe quando. A especulação mais óbvia indica que o Kindle poderia ganhar navegação por voz. Outra possibilidade seria usar um recurso de speech-to-text para gravar notas sobre os livros apenas falando.

Ou estaria a Amazon preparando um versão capaz de fazer chamadas telefônicas. Mas esta é a mais improvável das opções.

Por Maximiliano da Rosa


A Amazon decidiu dar uma inovada no Kindle. Em 27 de agosto a nova versão do o e-Reader será lançada apenas com conexão WiFi – sem 3G – e na cor preta.

Além disso, o Kindle deve ficar cerca de 20% menor e 15% mais leve. A tela também terá um upgrade no contraste: cerca de 50% maior.

Claro que essas mudanças também influenciam no preço do leitor digital, que passará a custar 139 dólares (uma economia de 40 dólares se comparado à versão anterior).

Agora é só torcer para a Justiça brasileira decidir acabar de uma vez com os impostos de importação do Kindle para começar a juntar o dinheiro.

Por Antonio Lúcio


A Justiça Federal brasileira reconheu a isenção dos impostos de importação do e-Reader Kindle na compra realizada pelo advogado e professor Marcel Leonardi que, através de liminar, foi dispensado da cobrança de 266,62 dólares referentes à importação do aparelho, valor maior que o do próprio Kindle, que custa 259 dólares.

A explicação é simples: segundo a lei, livros, periódicos e jornais são imunes a tributos e, considerando o Kindle como plataforma de acesso à e-Books, a justiça decidiu aplicar o mesmo critério para o leitor digital . O mesmo critério não se estende à iPads, netbooks e outros gadgets que incorporam outras funcionalidades além da leitura de livros digitais.

Mas não pense que agora é só comprar o Kindle que está tudo certo. A decisão ainda só é válida para a compra realizada pelo advogado, mas, com a abertura de um precedente, quem sabe num futuro próximo isso vire regra, não é?

Por Antonio Lúcio


Antes da chegada do iPad às lojas o Kindle era o dispositivo mais bem sucedido na sua categoria. Temendo ser logo sobrepujado pela concorrência do tablet da Apple, que permite muito mais do que apenas ler livros, a Amazon lançou um aplicativo para que seus leitores pudessem comprar e ler seus livros direto no iPad.

Assim, se de repente a livraria não conseguir mais vender seu e-reader, ainda poderá usar as plataforma da concorrência para vender.

Agora, além da versão do Kindle para iPad, a Amazon irá disponibilizar o aplicativo para o sistema operacional Android. Isso amplia ainda mais seus horizontes, pois o SO está presente não só em smartphones, mas também deverá ser visto rodando em outros tablets a ser lançados em breve. A versão mínima para rodar o aplicativo é a 1.6, e ele deverá estar disponível daqui alguns meses.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Terra





CONTINUE NAVEGANDO: