Golpe do WhatsApp é usado para roubar dados dos usuários



  

Malware chamado de WhatsApp.CreditCardStealer rouba os dados bancários do cartão de crédito dos usuários.

Já virou rotina o surgimento de notícias se referindo a novos golpes virtuais. Infelizmente, essa é mais uma delas. O que temos aqui é um malware chamado de WhatsApp.CreditCardStealer. Além dos danos que pode causar ele traz uma característica que o faz até ser confundido por diversas pessoas. Ele simula ser o WhatsApp para o Android. O novo malware invade o sistema com uma única finalidade: Roubar os dados bancários do cartão de crédito dos usuários.

O vírus foi identificado recentemente por uma empresa brasileira de segurança digital, a PSafe. De acordo com as análises dos especialistas o falso app apresenta aos usuários uma tela falsa solicitando que os mesmos insiram ali os dados de seu cartão de crédito.

O processo de invasão ocorre da seguinte forma: O usuário recebe um e-mail com o convite para fazer a instalação de uma nova versão do WhatsApp com o atrativo de contar com funções inéditas. Ao clicar no link para acessar o suposto app o usuário se depara com uma mensagem de erro e o aplicativo falso some. Porém, o WhatsApp continua instalado no dispositivo do usuário e funcionando sem nenhum problema.

A questão é que depois de clicar naquele link o ícone de atalho para o Google Play é automaticamente desativado. Sendo assim, todas as vezes em que o usuário tentar acessar a loja virtual do Google uma mensagem de erro irá aparecer. Consequentemente, não será possível nem sequer a instalação de ferramentas antivírus.

Com isso, o WhatsApp.CreditCardStealer atua em duas frentes: Primeiro engana o usuário e segundo, impede ou dificulta qualquer ação que possa colocar em risco sua “atuação”.





A coisa toda parece ter sido muito bem planejada. Para se ter ideia depois que se instala no aparelho o vírus permanece inativo pelo período de quatro horas. O que acaba por dificultar sua detecção pelas ferramentas automatizadas de segurança.

Depois desse período ele entra em ação e começa a sugerir informações para o usuário nas quais aponta que o mesmo deverá usar os dados de seu cartão de crédito para poder liberar novamente o acesso a loja da Google Play.

Caso o usuário caia no golpe, os dados dele serão enviados para um servidor do criminoso. Como se não bastasse o vírus ainda faz o cadastro do número do celular do usuário em um serviço pré-pago o que consequentemente gera ainda mais prejuízos.

Para se prevenir contra ele é recomendado usar um antivírus sempre atualizado. A PSafe ainda chama a atenção para o fato de que o usuário precisa ficar atento ao número de solicitações de mensagens que recebe sejam elas por e-mail ou SMS, em especial se as mesmas sugerirem algo do tipo fazer o download de algum app.

Por Denisson Soares

Golpe do WhatsApp



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *