Asus Fonepad 2: um tablet, um smartphone ou um phablet?



  

Lançado pela Asus, o Phonepad não obteve os resultados e muito menos a aceitação necessária. O dispositivo nada mais é  que um “alguma coisa”. Podemos tê-lo como um tablet com tela de sete polegadas (caramba gente! Isso é grande mesmo!) vendido com um smartphone, um super phabet de sete polegadas ou ainda um tablet com conexão 3g que é capaz de fazer ligações.

Com relação à tela, vale ressaltar que o já popular Galaxy Note II com suas 5,8 polegadas já é considerado um dispositivo com uma tela grande demais, e isso quando nos referimos a portabilidade do aparelho e não da usabilidade.

Talvez, já que ninguém até agora sabe ao certo o motivo, uma das coisas que mais dificultaram o “marketing” de vendas do Asus Phonepad fosse exatamente a falta de definição sobre qual categoria ele pertencesse.

Outro ponto que vale a pena chamar a atenção é o fato de que em alguns lugares o dispositivo tem sido chamado de Fonepad 7 enquanto que por aqui o termo usado é Fonepad 2. E isso levando em consideração ainda o modelo anterior era chamado somente de Fonepad, sendo que (confuso, não?) é o mesmo produto. Então continuaremos a falar sobre o Fonepad 2, já que foi assim que a fabricante apresentou o produto.

Se tablet, phablet ou smartphone, a dúvida vai continuar uma vez que ele é relativamente grande demais para fazer a junção das vantagens de um tablet e as praticidades apresentadas pelos smartphones.

Com relação a configuração o Fonepad 2 traz uma configuração um pouco mais atualizada. Há a presença do Atom Z2560, que conta com dois núcleos que rodam a 1,6 GHz. A GPU pode ser considerada poderosa: É uma PowerVR SGX544MP2.





Em termos comparativos não é possível apenas compará-la aos chips ARM com quatro núcleos como também desempenha muito bem a função de desempenhar a função multitarefa que foi apresentada na primeira geração. Já para a memória RAM são 1 GB, lembrando que é o mínimo exigível para que o aparelho possa rodar o Android 4.2 Jelly Bean.

Entre as desvantagens apresentadas pelo aparelho destacamos o fato de que ele não é um smartphone (nada contra esses aparelhos) e, sim, um tablet com capacidade de fazer ligações; a tela apresenta uma ótima qualidade, porém poderia ter a mesma resolução apresentada pelo Nexus 7 2013, ou seja, 1920×1200. Por fim, também poderia haver conectividade com a 4G.

Por Denisson Soares

Foto: divulgação



Compartilhar:

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *